Enop discute as boas práticas na fiscalização de serviços de infraestrutura

O VIII Enop abriu o ciclo de palestras nesta quinta-feira colocando em discussão mais um importante tema: a fiscalização de serviços de infraestrutura.

O painel, ministrado pelo engenheiro e diretor da New Roads, Elci Pessoa Jr., abordou, entre outros assuntos, a relevância da elaboração de um bom projeto básico; as distinções entre projetos básico e executivo em obras de infraestrutura; análise preliminar de adequação do projeto ao cenário real de campo; postura proativa na condução da obra; controle tecnológico; critérios de medição; reequilíbrios econômico-financeiros e recebimento de obra.

O engenheiro iniciou a apresentação mostrando a relevância da elaboração de um bom projeto básico, o que contribui de forma positiva para a execução de um emprendimento. “É preciso repensar os projetos porque há impactos na obra”, afirma. “Infelizmente muitos chegam a entregar projetos sem orientações mínimas, o que pode causar prejuízos posteriormente”, acrescenta.

Um bom projeto, segundo o especialista, traz inúmeras vantagens, entre elas menos incertezas aos licitantes; ausência de “jogo de planilha”; isonomia entre os licitantes; menor custo; menos “imprevistos” durante a execução da obra; melhor planejamento e menores custos; orçamento mais preciso; menor necessidade de aditivos de preço ou prazo; obras com maior qualidade e soluções mais adequadas, ou seja, melhores e mais econômicas.

Elci Júnior destacou ainda a importância de uma análise preliminar de adequação do projeto ao cenário real de campo, realizando uma visita técnica in situ, para observação das condições atuais do trecho e avaliação ante as soluções e detalhes trazidos em projeto. Ele citou como exemplo a importância de verificar se as condições atuais da pista estão compatíveis com as soluções de restauração indicadas; checar as cotas de recobrimento de tubulações em eixos de pistas; prever levantamentos das tampas dos poços de visita; paralelepípedos bem assentados antes do CAUQ; jazidas e empréstimos com material suficiente e com qualidade; e checar as informações do Quadro de Movimentação de Terraplenagem. De acordo com o diretor, não raramente essas adequações geram necessidade de ajustes com impactos financeiros por meio de aditivos, por isso recomenda-se providenciar o quanto antes.

Ao término de sua exposição, o engenheiro explicou sobre o recebimento da obra destacando que a comunicação dos defeitos à empreiteira deve interromper o prazo para o Termo de Recebimento Definitivo.

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp