Uso do BIM em obras rodoviárias e aeroportuárias é tema de debate no terceiro dia de seminário

A metodologia BIM vem ganhando cada vez mais espaço em obras aeroportuárias.

Entre os aeroportos que utilizaram a nova modelagem estão os de Londres (London Heathrow), utilizada no desenvolvimento do projeto do Terminal T2B, e de Frankfurt, com o objetivo de desenvolver banco de dados centralizado para apoiar as operações e manutenções permitindo que equipes de engenharia, operação, manutenção, segurança e resposta a emergências visualizassem informações por meio de mapas interativos que facilitassem encontrar dados relevantes mais rápido e assim minimizando o tempo de inatividade das operações.

No Brasil, 17 aeroportos, entre eles o de Maringá (PR), Governador Valadares (MG) e Londrina (PR), utilizam a metodologia, e outros estão em fase de elaboração de projetos, como Joaçaba (SC), Dourados (MS), Balsas (MA), Santa Rosa (RS), Jataí (GO), Serra Talhada (PE) e Marechal Thaumaturgo (AC).

O assunto foi bastante discutido no segundo dia de palestras do seminário “Obras Públicas: BIM Experience”, promovido pela ConTreinamentos.

Para a engenheira e arquiteta, Isabella Pozzeti Guimarães, que participou dos debates, o uso do BIM é de grande importância e fundamental “para simulações de soluções técnicas contribuindo muito para que sejam feitas adequações no projeto, para a tomada de decisões, para a melhoria de comunicação entre projetistas, prefeituras e construtoras e simulações 4D”.

Durante sua apresentação, a arquiteta abordou também as ações necessárias para a completa adoção e implementação BIM, as dificuldades encontradas no acompanhamento da execução dos projetos em BIM, a capacitação para acompanhamento de projetos e obras em softwares, e a Estratégia BIM-BR.

Obras Rodoviárias – A metodologia BIM em Obras Rodoviárias também foi pauta de discussões. O analista em Infraestrutura de Transportes, Anderson Alvarenga Ferreira, destacou em sua apresentação os estudos de eliminação de pontos críticos, como na BR-080/DF e BR-070/DF, a utilização da modelagem na captura de realidade, como na BR-364/RO (no contorno de Ji-Paraná), e na BR-010/TO, e em obras de arte especias, como na Ponte sobre o Rio Piancó, na BR-361/PB. O analista abordou ainda o uso da tecnologia no inventário funcional dos pavimentos por meio de equipamento a laser, a detecção automática de todos os defeitos superficiais, a detecção de afundamentos, de macrotextura, e a completa varredura de defeitos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp