Assessoramento jurídico e diálogo competitivo são discutidos no CON Brasil

O CON Brasil colocou em pauta na tarde deste segundo dia de debates a questão do Assessoramento Jurídico na nova Lei de Licitações.

Para Ronny Charles de Torres, advogado-geral da União, com o incentivo da nova Lei, que implantará a atuação jurídica, haverá um grande aumento das consultas jurídicas. “Não teremos a evolução que esperamos na nova Lei sem uma atuação altiva do órgão de assessoramento jurídico exercendo notadamente suas funções típicas. Esse assessoramento é fundamental para a evolução das licitações”, destaca ele.

Durante a apresentação do painel “A Atuação do Órgão de Assessoramento Jurídico na Nova Lei de Licitações”, o advogado fez uma comparação com o assessoramento na Lei nº 8.666/93, que se restringia à aprovação de minutas, e abordou também a formação do profissional da assessoria jurídica e as funções da assessoria nas licitações, como o controle de legalidade, a representação extrajudicial e judicial e o apoio jurídico aos agentes públicos.

Segundo ele, a nova Lei “não é aquilo que sonhamos, mas traz interessantes inovações”, entre elas o diálogo competitivo, colocado em discussão no último painel desta terça-feira – “Um olhar mais detalhado para o novo diálogo competitivo”, apresentado pelo procurador do Estado do Paraná, Hamilton Bonatto.

O diálogo competitivo é a modalidade de licitação para contratação de obras, serviços e compras em que a Administração Pública realiza diálogos com licitantes previamente selecionados mediante critérios objetivos, com o intuito de desenvolver uma ou mais alternativas capazes de atender às suas necessidades, devendo os licitantes apresentar proposta final após o encerramento dos diálogos.

De acordo com o procurador, o “diálogo competitivo é a grande novidade da Lei nº 14.133, de 2021, sendo uma das principais alterações da nova legislação”. Com essa nova modalidade, há possibilidade de a Administração ter acesso a técnicas, tecnologia e metodologias de domínio restrito do mercado. Por meio do diálogo com o mercado, a Administração busca uma solução mais customizada para atender às suas necessidades.

Entre os desafios apontados por Bonatto quanto à nova modalidade estão a prevalência das questões jurídicas sobre as demais questões técnicas nos processos de contratações públicas; os procedimentos licitatórios em que prevalece o julgamento subjetivo  sempre são vistos com muitas ressalvas quanto à sua aplicação no Brasil; e a necessidade de o servidor e o empregado público que trabalham em qualquer das fases da contratação pública de se adequarem a um sistema que exige diálogo e permite uma discricionariedade ampliada em relação ao que ele está acostumado, o que implica capacitação.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Notícias Recentes